20 de mai de 2017

POVO SÃO O OUTROS


O Brasil tem 35 partidos políticos. A JBS comprou 28.
Ah, políticos! Os salários altos, benefícios ótimos, mordomias incríveis, não ajudam nem pressupõem honestidade, pelo contrário.. Pagam qualquer valor pra se manterem no poder, desde que não seja do seu dinheiro, claro.
Botam o país pra sangrar e debocham, riem, escarnecendo do povo do qual querem extorquir os direitos, pois não desejam ser incomodados.
Enquanto isso, o povo ataca a si mesmo. Quer se livrar dos infortúnios. Precisa ganhar na loteria, passar num concurso público, casar com parceirx rico, entrar pra politica...
Pra se eleger tem que ter tempo de TV, aquela que só pobre vê.
O povo nem sabe que é povo, pra ele, povo são os outros.
O povo brasileiro ainda não existe. Só na terceira pessoa. Ele (o povo brasileiro) não tem nada que dê lucro, nem a cultura, pois que passam-na a diante - é melhor pagar caro por um lugar num camarote e os pobres que assistam pela TV.
O Brasil é tão aficionado pelo poder que não sente o cheiro e se sente, não se importa. É melhor ser primo de um irmão que é colega de um amigo da tia de um vizinho de um famoso do que ter juízo e ser decente, porque isso dói e dá trabalho.
Ainda assim, celebridades são melhores que políticos. A celebridade a gente pode encontrar no shopping e aceita fazer selfie - o ano todo, não somente nas eleições.
Alguém encontra político no shopping? Claro que não! Os caras andam de helicóptero, carro oficial e têm esquema de segurança. Ainda que definam as estratégias, regras e percursos dos transportes públicos que só nós (povo inexistente) usa.
 Políticos são iguais às mulheres lindas do carnaval e as frutas da estação: passada a sua época, desaparecem! Deve haver um foguete 🚀 levando e trazendo essa gente, ops, esses seres.

2 comentários:

  1. Minas Gerais, 27 de maio deste impressionante 2017

    Prezada Rozzi,

    Primeiro parabenizar pela repaginada aqui na sua casa - ficou simples e elegante.

    Gostei do texto, é duro. Minha geração nasceu na democracia e cresceu na ditadura. Formamos guetos de resistência, comunidades de base, havia de tudo em todas as partes. Não vejo isto hoje - culpa nossa, que achamos que o novo por uma relação atávica manteria acesa a chama da liberdade.
    Ledo engano - a liberdade é impossível de ser traduzida, transcrita, doada - é uma conquista pessoal.
    Um bom dia, e gosto de ler o que escreve.
    Paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, muito obrigada! Não sei o que me deixou mais satisfeita, se você gostar do que escrevo, acompanhar esse blog tempo o suficientes para vivenciar as mudanças visuais ou o simples fato de ser lida. Tudo me alegra, muito!

      Sabe, temos culpa, sim por nos deixar levar pelas manipulações em todas as instâncias, por outro lado, tempo passa a gente cansa e a grande maioria criada como um hamster na sua gaiola com rodinha é o principal serviço das ditaduras...
      Grande abraço e muito obrigada pelo comentpario.

      Excluir

Fique à vontade pra dar sua opinião.