14 de nov de 2013

A Festa Que Nâo Houve | Homenagem a Délcio Carvalho



Délcio Carvalho e eu fazíamos aniversário na mesma data, obviamente, eu  tinha um tremendo orgulho disso. Quando nos encontrávamos eu falava sobre comemorarmo juntos e ele, generoso que só concordava e achava bacana, era "só combinar certinho"!
Sou do tipo que comemora niver o ano todo, no entanto, festa, comemoração oficial, só de vez em quando... Quando lembro, quando estou 
a fim, principalmente quando tenho uma boa idéia a tempo e isso é raro - não a boa idéia, mas o "a tempo", claro.

Pelo que me lembro, minha última comemoração foi no extinto "Tabuleiro da Baiana" uma festa linda, em que os melhores presentes foram a casa lotada, boa parte da minha família presente e as incríveis palavras de Eliane Faria somadas a um set imperiano que me deixou estática rindo com muitas lágrimas nos olhos, lá se vão uns 4 anos ou talvez tenha sido em Madureira, numa certa "casa portelense, quarta-feira de cinzas com amigos poucos - isso que dá ter amigos sambistas - passando por Ipanema, terminando no Catete com parabéns de isqueiro num pedaço de torta generosamente oferecido por Vera Aurélio e fartamente distribuído entre os 3 "cachaceiros" da mesa em festa já raiando o dia.

Depois, teve uma ocasião que a vaca estava de dieta e emburrada, . Houve o ano em que estava de cama com pneumonia, o ano que programaram uma festa e esqueceram, então, tentei ir pro Rio Scenarium ver Ana Costa mas sem reservas, as amigas de salto fino cortaram o clima. Aconteceu ainda. o ano que eu mesma esqueci e só lembrei com o primeiro telefonema... Alguma vezes marquei luau na praia e choveu, mas na maioria das vezes fico cansada só em pensar em organizar, afinal, são tantas festas que organizo, dá um trabalhão e tenho certas preguiças de ter trabalho comigo, além de sonhar com festas, não necessariamente surpresas que eu não tenha que pagar nada e principalmente não lavar a louça ou mesmo não me preocupar se vai alguém...

Faz tempo que não rola de fazer um festança 0800 pra galera, sei lá porque a galera aumenta em razão diretamente proporcional ao encolhimento da grana... Daí, pensar num local bom pra todos, com preços honestos e tratamento pelo menos próximo da decência, banheiro que não assuste, localização que não espante e tantos detalhes que a gente nem pensa quando vai ao samba, mas acaba sendo comentado quando é uma festa de caráter particular só que público...

Então no meu último encontro com seu Délcio, lá no pagode do Marcos Diniz, na Toca do Gambá, mais uma vez falei da comemoração, ele curtiu e brincou com a idéia : Meus 75, seus 50, a gente até pode trocar isso daí e eu comentei que justamente o objetivo era que junto com ele, eu não precisaria falar a minha idade. Ele já estava num tratamento sofrido, mas estava elegante e bonito como sempre, com aquele sorriso que só quem nasce no dia 9 de março possui, que ele nunca deixou de nos oferecer junto com sua imensa generosidade.

É fato que haverá dia 9 de março em 2014 e talvez eu faça realmente 50 anos, se vai ter festa é um enigma, mas onde rolar de comemorar esse poeta estará presente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade pra dar sua opinião.