10 de out de 2010

Eleições: Mais Que Sair de Casa Para cumprir uma Obrigação

Todos falam da importância das eleições mas é fato que a tratamos com a mesma desimportância que o político nos dá... Prova disso é que você leitor, já está virando esta página, pensando que essa é a coluna mais chata da revista... Ok,vá em frente, não é fácil ser humano e urbano. Para quem continua a leitura obrigada!
 É bem verdade que as leis eleitorais e/ou eleitoreiras não ajudam muito... Porque a obrigatoriedade de um horário eleitoral que ninguém vê? E se alguém visse com atenção, conseguiria escolher seu candidato naqueles poucos segundos onde vemos imagens engraçadas, bizarras, desconexas, esquisitas, desconcertantes, medonhas com vozes fanhas, enroladas onde mal se percebem o número e o nome da criatura?  Quanto ao horário estendido dos grandes partidos, eu sempre avalio o contrário do que dizem...
No horário eleitoral vemos o candidato numa espécie de zoológico, o mesmo que eles acostumaram-se a nos ver, pagando pra entrar, proibidos de alimentar os animais e repleto de atentos julgamentos. Mas não levamos em conta no nosso julgamento que poderíamos votar num candidato que realmente tivesse interesse comum a nós, afinal são muitos os critérios. Evangélico vota em evangélico, negros conclamam as comunidades negras, mulheres discursam para as suas iguais mas... Gay vota em gay? Quais as chances de um travesti se eleger? Ainda não vi um candidato com a bandeira do gay em punho com palavras de ordem que defendesse os direitos da população homossexual... Verei algum se assistir ao horário eleitoral gratuito? Todos são pelos pobres sem necessariamente conhecer a pobreza. Não apostam nos direitos dos gays aqueles que são gays. Aliás, não entendo porque com tantos políticos preocupados, voltados para diminuir a pobreza, ela ainda não tenha sido erradicada do país...
Diante do candidato que olha com carinho para a lei de parceria civil homossexual, há a maioria que prefere enxergar apenas a discriminalização da maconha e uma suposta homossexualidade - jamais comprovada ainda assim causando rejeição.Não será com tanto preconceito que se conseguirá uma sociedade mais justa... Contraditória nossa forma de avaliar, incoerente nosso modo de escolher...  Somos despreparados para o voto, dispomos de campanhas que em nada nos esclarecem, recebemos enxurradas de informações manipuladas que invadem nossos olhos estrábicos de verdade e compreensão...
 “No entanto é preciso cantar e alegrar a cidade”. Portanto, sorria, vivemos numa recente democracia onde o humor não pode se manifestar para não ferir os brios daqueles que invadem nossas casas na hora do almoço, lanche e jantar servindo-nos um cardápio sem consistência e repleto de contradições.
Somos incoerentes e temos uma democracia com voto obrigatório ainda que não haja candidatos que nos faça sentir representados, a urna não possui a tecla para o voto nulo... Você acha que existe representação legítima para aqueles que pensam? A nossa democracia é boa, condescendente, e nós indolentes? A luta pelos direitos civis homossexuais virou festas anuais de marketing pessoal e corporativo, no resto do ano não se pode expressar o que se é nem dizer o que se pensa, sob pena de cair no ridículo. Discordar é pedir pra ser o chato da turma. Portanto, não falemos mais de eleições, vamos sorrir com as bizarrices dos candidatos (bem remunerados,cheios de subsídios e benefícios) pitorescos e exóticos do mesmo modo que eles fazem conosco. E não esqueça: Tecla verde confirma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade pra dar sua opinião.