8 de ago de 2016

VAMOS FALAR DE AMOR (6) E SEXO (1)

Amor e sexo para mim sempre foram coisas distintas. De amor eu ouvia falar desde cedo nas novelas e histórias infantis, de sexo demorou muito para eu poder ouvir ou falar. Na casa da minha infância casa não habitavam as pessoas mais românticas do planeta, nem eram as mais delicadas, de modo que a palavra amor não era recorrente, era rara e isso era muito comum no universo em que cresci, onde a palavra de ordem era educação no sentido de comportamento e fazia parte da boa educação (bom comportamento) não falar de sexo, de modo que para entender sexo como parte do  conjunto biológico natural normal do ser humano , incluindo saúde, demorou um pouco.  

Quando se falava em sexo,  os adultos lá da casa sabiam do que se tratava, eu aprendi na escola com "aquela aula da Tia Leila" que explicava como eram gerados os bebês , só fui saber como eles feitos, muito tempo depois. É que as informações de uma bolinha com um rabinho, virando criança dentro de uma mulher, foi algo tão espetacular que não me ocorreu perguntar como ela conseguiu entrar lá dentro. Na classe havia 42 alunos e ninguém fez essa pergunta. 

Hoje fico pensando que sexo durante tanto tempo para mim teve a conotação de vida, enquanto para os mais velhos lá de casa, era relação sexual mesmo. Já amor entrou em contato comigo fantasiosamente, através das histórias ridículas de príncipes e princesas, dragões,  bruxas e maçãs, torres gigantescas, jardins de espinhos intransponíveis, feitiços que faziam dormir por 15 anos. 

A minha história predileta era a Bela e a Fera, mas hoje sou obrigada a reconhecer que fui a Bela Adormecida, aquela que acordou tendo que estar pronta para um amor que na verdade seria “apenas” uma trepada



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade pra dar sua opinião.