4 de out de 2012

LÉSBICA É MULHER?


Como surgiu o Dia da Visibilidade Lésbica , comemorado aos 29 de agosto?                              Porque o gay tem um dia do Orgulho e a lésbica um dia de Visibilidade?                                          Uma resposta óbvia e lógica seria que a lésbica não é vista. Embora a homossexualidade, num passado recente, já tenha sido considerada como doença pela OMS (CID 10), são praticamente inexistentes relatos de pesquisas sobre a incidência dessa “doença” em mulheres. No Brasil, no início do século XX, vários homossexuais foram objeto de pesquisas, muitas financiadas pelo Estado que buscava descobrir a cura para o “desvio da sexualidade”, predominando os relatos sobre a homossexualidade masculina. Não é de causar espanto, afinal, vivemos num ambiente onde a mulher sempre foi vista como propriedade, como um objeto destituído da necessidade de sentir prazer, incapaz de fazer opções das mais simples, impedida de ter objetivos pessoais etc.
Apesar desse histórico ainda hoje, circula o pensamento que mulheres gostam de dinheiro e buscam no casamento um meio de sustento. A piada que lésbicas se casam no 2º encontro, pode até ser engraçadinha mas praticamente serve como uma justificativa para a quase inexistência, nos dias de hoje, de locais exclusivos ou com atendimento especializado. A ausência de pesquisas focadas no público lésbico, a falta de estatísticas, levam os empresários a não perceberem um nicho de mercado promissor. Tem algo mais invisível do que isso?
Felipa de Souza, foi uma portuguesa viúva que desembarcou em Salvador em data desconhecida, casou-se com um pedreiro e ela sabia ler. Um livro deixado na casa de uma amante, foi o estopim para a sua desgraça. Interrogada pela Inquisição, sobre a presença de tal livro em sua casa, sua amante, a analfabeta Paula de Siqueira, “deu o serviço”, relatando seu envolvimento sexual com Filipa que por sua vez confessou o seu lesbianismo e sua prática com mais 6 mulheres! (deu inveja? rsrs). Humilhada, chicoteada em praça pública, Filipa foi exilada, expulsa, enxotada e a partir daí, sobre ela não há mais qualquer registro. Foi arremessada para a vala comum da invisibilidade ainda lotada até os dias de hoje. Isso foi no ano de 1592 e Filipa tinha 35 anos.
Quanto ao Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, ele passou a existir em 1995, quando no SENALE – Seminário Nacional de Lésbicas, reuniram-se mais de 100 (!) lésbicas com objetivo de pensar e debater sua situação. Embora a data comemorativa seja exclusiva da categoria lésbica, caberia a reflexão que ser lésbica é mais uma das situações de preconceito que a mulher está exposta, se levarmos em conta que na nossa sociedade há discriminação por conta da cor da pele, religião, posição financeira, idade, tipo físico e até naturalidade geográfica. “Aquela preta”, “aquela gorda”, “aquela velha”, “aquela branquela”, “aquela paraíba”, “aquela bíblia”, “aquela fanchona”, “aquela macumbeira”, “aquela(e) sapatão”, “aquela magrela”, são pejorativos discriminatórios que podem se combinar numa única mulher e ainda se somar às outras eventuais deficiências que elas possam possuir.

Alguém pode raciocinar que homens também passem por esse corredor polonês absurdo de ignorância, mas quem negaria a existência na prática do pensamento que um idoso quando se une a uma ninfeta é “macho mantenedor” enquanto uma senhora – mesmo uma celebridade - que relacione um garotão não passa de uma “sem-vergonha”? O que se pode comentar sobre a prática dos estupros corretivos regidos pela idéia de que uma mulher se torna lésbica pela falta de um bom órgão fálico? E sobre os filmes pornográficos ou imagens de arte erótica onde o prazer está sob ótica masculina?
A homossexualidade é uma dentre quatro categorias de orientação sexual, mas parece que o lesbianismo está à parte num país heteronormativo que interfere na postura pessoal, particular, não facilita a organização para uma luta de ocupação de estado de direito de ser e existir. E o que não é visto não existe tornando-se indiferente por não haver "o que", "com quem", ou como reclamar ou reivindicar.
Uma lésbica não deixa de ser uma mulher (será que posso dizer que uma lésbica é uma mulher sem ofender alguém? Tomara que sim!) necessitando, assim se prevenir de DSTs, câncer de mama, câncer do colo do útero e outras doenças que causam a morte. A invisibilidade acarreta a falta de orientação e educação, trazendo o prejuízo da auto-estima disfarçada de vocação para Mulher Maravilha... Num momento em que as minorias se voltam para a oportunidade de exercer e lutar por seus direitos, inclusive o de formar famílias homoafetivas, cabe pensar que a lei atua onde falta o respeito e esse inclui o cuidado e orientação para a saúde.
Quando mulheres heterossexuais independentes sexualmente são vistas como periguetes, as mulheres vaidosas são vistas como peruas e as mulheres recatadas são chamadas de sonsas, a causa lésbica se universaliza. Há um longo caminho a percorrer para que as lésbicas sejam vistas como mulheres dignas de respeito e a articulação para que venha esse respeito não pode ser delegado exclusivamente às ativistas. Cuidar de si, ter o seu espaço e direito é uma luta diária que cabe até mesmo dentro da timidez e da discrição...
“A homossexualidade foi catalogada em cerca de 5 mil espécies animais, foi bem estudada e devidamente comprovada em no mínimo 200 delas, incluindo platelmintos” (considerados vermes). Sobre as mulheres homossexuais praticamente não há estudo, pesquisas ou estatísticas... Os vermes mereceram mais atenção e ocuparam mais espaço do que as lésbicas, o que fazer?

2 comentários:

  1. Adorei o texto. Estou pesquisando sobre o assunto para um livro, onde eu quero que uma de minhas personagens tenha um relacionamento homoafetiva (não sei se é assim que se escreve) na verdade não entendo porque colocar nomes diferentes pra relacionamentos de pessoas do mesmo sexo, pra mim são pessoas como qualquer outra.
    Enfim... Obrigada, seu texto me ajudou bastante, agora tenho um ponto de partida para a minha personagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nairim!
      Concordo contigo, relacionamento é relacionamento e os nomes deveriam ser os mesmos.
      Boa sorte com o seu livro e não esqueça de me convidar (ou informar sobre) para o lançamento! Quero ler.
      Abraço.

      Excluir

Fique à vontade pra dar sua opinião.