7 de dez de 2014

TRITURA MAS NÃO MÓI














Sou acostumada com algumas aceitações e grandes rejeições. 
Não me acostumo, mas aceito o que não tem jeito, atravesso
as decepções
No pagode, tímida, enquanto sorrio, calada, verso.
Tenho calos que me protegem, confortam. 
Por isso rio, mesmo quando dói.
Incomoda-me a indiferença dos que não se importam.
A vida me tritura, mas não me mói
Fecho os olhos aos que provocam e não suportam.
Todos os muros, vidraças, torres e carapaças que construí,
Ruíram na primeira necessidade de um amigo,
no primeiro sorriso de criança
Não é na segurança que me abrigo.
Todas as ordens, conceitos e defesas caíram
Quando abaixei para pegar um animalzinho abandonado qualquer.
Tenho o peso das ordens e a leveza da desordem. Coisas de mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade pra dar sua opinião.