29 de mai de 2014

O JARDIM

Minha mãe cuidava de plantas como quem cuidava de almas.
Hoje sou herdeira de uma plantação que se ressentiu da viagem da sua principal jardineira...
Já consegui que as folhas levantassem e me olhassem, "aceitaram a minha mão" e retomaram o verde. 
A chuva a despeito das reclamações cariocas, tem ajudado bastante, sendo minha fiel parceira nesse outono metido a inverno. Mas o lírio não floresceu a-i-n-d-a...

Eu não tenho filhos, perdi as duas mães que tive, mas tenho um jardim e apesar do estranhamento e das críticas, vou regando minhas pessoas. Algumas estranham -  o afeto anda raro ou os interesses pulverizados, é fato que as pessoas estranham e desconfiam dos verdadeiros jardineiros...
Mas  vamos cuidando  das plantas que nos sejam mais caras (queridas), zelar pelas flores belas, amar espontaneamente a singeleza das flores do campo, ter carinho pela maria-sem-vergonha e jamais, jamais pisar na desconhecida, farta e fácil grama!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade pra dar sua opinião.